Processo criativo existe? Onde vive? Do que se alimenta?

Ei festeiros, que título, hã?

CRIATIVIDADE É A INTELIGÊNVIA  SE DIVERTINDO – ALBERT EINSTEIN

Adoro essa frase! 

Sem saber como começar a falar de um assunto mais pessoal que mamilos, parei para refletir outra vez – a primeira foi quando tive a ideia de publicar – sobre como funciona o meu processo criativo. Isso porque queridos leitores, é uma construção completamente orgânica e individual. Não tem fórmula mágina ou bula.

Esse processo me ajuda a dar um norte para os projetos e a partir daí entender até onde toda minha criatividade pode nos levar, já que nem todos os projetos são iguais, tem os mesmos tamanhos e orçamentos.

IMPORTANTE:  quando não posso realizar determinada coisa naquele momento, anoto fisica ou metalmente e guardo na caixinha das ‘coisas festivas que não posso deixar de fazer um dia’ e torço para que algum cliente me permita tirar esse desejo do papel. Nunca abandone uma ideia na qual você acredita! 

Vou listar aqui 5 dicas preciosas que eu uso e podem te ajudar bastante:

FAÇA UM BRIEFING

Ele nada mais é do um super compilado de tudo o que você precisa saber sobre aquele projeto, de informações do seu cliente – que eu acho super importante saber como, por exemplo, as preferências – ao perfil daquela festa. Considero o briefing tão importante que ele vira um material para consultas e norteia toda as etapas de organização.

Ele deve conter todos os dados do cliente, todas as informações da festa (data, local, horário, tema, número de convidados, atrações, etc), minhas atribuições – e possíveis atribuições – ao longo do planejamento, orçamento, cronograma – uma estimativa de quanto tempo eu precisarei para planejar, contratar os fornecedores -, e por aí vai.

Caramba, poderíamos escrever uma publicação inteira só sobre isso! rs

A essa altura você deve estar pensando porque cargas d’agua isso tem a ver com nosso assunto e eu te respondo fácil: Ser criativo com grana é muito tranquilo, ser criativo com pouca grana requer planejamento e boa avaliação das possibilidades, ou seja, no que poderemos investir para dar um ‘boom’ em nossas decorações. 

PESQUISE

Minha dica é que vocês não pesquisem por decorações daquele mesmo tema de imediato, antes disso façam um exercício super divertido de dar um GOOGLE no tema, dar uma viajada no PINTEREST, que é uma rede social de imagens de colaboradores do mundo inteiro, ouça a trilha sonora daquele tema, assista aos filmes ou desenhos animados e anote, sem pena, tudo que achar de marcante e interessante sobre ele.

Tudo bem, tudo bem, sei que está se coçando para ver o que outros decoradores fizeram, eu entendo, de verdade, mas quer aprender a exercitar a sua criatitvidade sem ficar super sugestionado com a criação de outra pessoa? Deixe essa pesquisa por último, depois de ter esgotado todas as outras.

ORGANIZE UM BRAINSTORM

Gente, eu juro que não estou brincando com o dicionário hoje, rs!

O significado é o sonho de qualquer publicitário que eu conheço: Chuva de Ideias. Não sei se contei aqui mas essa é minha formação e uma das minhas grandes paixões. Se você é publicitário e está lendo meu blog, quer ser meu amigo? Me liga, me manda um telegrama, me conta a sua vida! kkkk

Se você tem com quem conversar a respeito dos projetos, faça, o brainstorm é um trabalho em grupo, um bate papo, uma super troca de ideias. Não é a toa que desde que o mundo é mundo as pessoas dizem que duas ou mais cabeças pensam melhor do que uma.

ACOMPANHE O TRABALHO DE PESSOAS CRIATIVAS 

De qualquer área: decoração de festas, decoração de ambientes, artistas, designers, fotógrafos, travellers. Eu sigo uma infinidade de perfis de pessoas super criativas e me manter abastecida de todo esse conteúdo ajuda a ter minhas próprias ideias, descobrir novas tendências, aplicar técnicas de maneiras diferentes e a pensar fora da caixa.

FAÇA UM MOODBOARD

O moodboard é um quadro com todas as ideias e referências que você tiver para aquele projeto. Ele te ajuda a ter uma ideia visual palpável, descobrir o estilo e manter o foco.

Você pode fazer virtualmente ou usar um quadro, uma super folha ou a parede de casa, do home office e ir montando o quebra cabeça aos pouquinhos.

Eu confesso que comecei a fazê-los a pouco tempo, semore tive o hábito de desenhar com lápis e canetinha colorida, puxando setas para todos os lados, mas os moods tem sido, acima de tudo, divertidos e trabalhar nos divertindo é um presente amigos.

Os meus virtuais são bem caidinhos – olha aí em cima! rs -, mas os impressos são fofos e preciso fotografar um dia desses para mostrar aqui.

As vezes tenho feito dois bem completinhos e depois decido qual deles tem mais a carinha real do que tenho em mente, a não ser que eu esteja muito, muito decidida do rumo que darei aquela decoração, o que normalmente acontece, faço apenas um.

Não se preocupe que seja organizado ou profissional. A perfeição não existe e o que é lindo para alguns é estranho para outros. Faça de um jeito que ao olhar você entenda, tenha tudo o que gostaria e sinta que de alguma forma o projeto saiu da sua cabeça e como eu sempre digo, do coração.

Ele não precisa ser compartilhado com ninguém, nem com seu cliente caso não queira, é apenas mais uma ferramente do processo de criação do seu trabalho, é pessoal, é de você pra você.

Se posso dar um conselho é NÃO TENHA MEDO DE OUSAR E SAIR DA SUA ZONA DE CONFORTO. DESCONTRUIR OS PARADIGMAS PARA TENTAR ALGO NOVO. Comecei fazendo mesas espelhadas, era como eu achava mais bonito, era como eu sabia trabalhar, era como ,e sentia segura, até que aos poucos criei minha identidade, misturei materiais, defini meu estilo, sei exatamente do que eu gosto, do que não gosto, o que representa meu trabalho e desde então cada projeto é literalmente uma folha em branco para que eu possa dar asas a imaginação.

Curtam, deixem comentários, divulguem as publicações para os amigos. Vamos conversar sobre isso!

Até a proxima!

Beijos, Lu.

Leia também